Brasil sofre no início, mas deslancha e vence a Polônia em SP

Por Vanessa Kiyan - 29/06/2017 - 23h09 - São Paulo

A julgar pelo primeiro set do amistoso entre Brasil e Polônia, disputado na noite desta quinta-feira (29) em São Paulo, a aposta era por um jogo de cinco sets no ginásio do Ibirapuera. Mas o fôlego de Wolosz e companhia só durou os primeiros 25 minutos. Com mais facilidade nas duas parciais seguintes, a equipe de Zé Roberto arrancou aplausos da torcida paulista ao anotar 3 sets a 0, com parciais de 25/21, 25/11 e 25/23. 
 
Com o resultado, a seleção fechou a série de amistosos com as polonesas de forma invicta, com duas vitórias, seis sets vencidos e nenhum perdido. Os testes fazem parte da preparação final para o Grand Prix, torneio que se inicia na próxima semana. As brasileiras são as atuais campeãs da competição.
 
 
Brasil usa amistosos como preparação para o GP (Foto: CBV)
 
 
1º SET
Desconcentração. Esta foi a tônica do Brasil nas primeiras trocas de bola com a Polônia, que fez um início de primeiro set bem diferente do jogo em Belo Horizonte. A equipe verde-amarela começou tão devagar que Zé Roberto precisou queimar o primeiro tempo com 5 a 1 para as polonesas. Mas uma boa passagem de Carol pelo saque recolocou as brasileiras na disputa (7/8).
 
Aí foi a vez de Jacek Nawrocki chamar as comandadas para uma conversa. A parada foi boa para o sexteto de marinho, que contou com o duplo erro de Tandara na rede, além de bons bloqueios, para voltar a abrir três pontos. Porém, após o mau momento, as brasileiras recuperaram terreno e cresceram no momento mais importante. A Polônia não acompanhou mais as adversárias e, no bloqueio sobre Smarzek, o Brasil fechou em 25 a 21.
 
2º SET
Não dava para começar o segundo set de forma tão lenta quanto o primeiro. Muito menos deixar a Polônia abrir para correr atrás do prejuízo. Muito mais concentrado, o Brasil não deu espaço para as oponentes, que erraram, e muito, nas primeiras trocas de bola. As donas da casa também tiveram seus méritos, e um deles foi aproveitar bem os contra-ataques. Como consequência, o placar saltou para 12 a 4 no ataque de Tandara pela saída.
 
A equipe de Efimienko bem que tentou acelerar o passo para encurtar a longa distância para as brasileiras, mas ficou difícil vencer o volume de jogo das anfitriãs. Parar Natália e Tandara também (14/8). Mesmo com o placar bem desfavorável, Nawrocki demorou a buscar alternativas. Só com 16 a 8 contra, trocou Smarzek por Tomsia. De nada adiantou. Do outro lado, houve tempo para Naiane, Edinara e Amanda entrarem para ajudar o Brasil a fechar em 25 a 11.

3º SET
A Polônia veio com uma mudança para o terceiro set. Tomsia, que tinha entrado no segundo, foi promovida a titular. Na prática, a equipe passou a jogar mais colada com o Brasil no marcador, mas não o suficiente para liderar o confronto. Tanto que, com 9 a 5 para as donas da casa, Nawrocki apertou o botão do tempo. As orientações, no entanto, não surtiram efeito no placar, e a Polônia seguiu sem conseguir nivelar seu jogo com as brasileiras.
 
Após o 15º ponto do Brasil, Zé Roberto resolveu observar Drussyla no lugar de Rosamaria. A jovem ponteira teve uma recepção calorosa da torcida paulistana. Naiane e Edinara também foram chamadas para a inversão do 5-1 (19/14). Até Gabi, agora líbero, foi testada na vaga de Suelen. Com uma equipe bem modificada, o Brasil teve dificuldade para rodar bola, a ponto de o placar ficar perigoso (24/23). Mas Natália acabou com qualquer pretensão das rivais ao colocar no chão a bola de número 25.