Com 4 meses na nova função, Sassá confessa dificuldade como líbero: “Muito difícil”

Por Saque Viagem - 13/07/2015 - 10h37 - São Paulo

Sassá jogará na etapa da Itália do Grand Prix (Foto: Préu Leão)
 
 
Sassá será a líbero do Brasil na etapa da Itália do Grand Prix. Com Camila Brait nos Jogos Pan-americanos de Toronto e Léia lesionada, a ex-ponteira terá seu primeiro grande desafio na função que assumiu neste ano. 
 
Em São Paulo, na última etapa da Fase Intercontinental, a hoje camisa 6 mostrou um pouco do trabalho dos últimos quatro meses, quando passou a treinar como líbero. Porém, Sassá não jogou nenhuma partida completa. Brait foi a titular contra Bélgica, Tailândia e Alemanha.
 
“Estou gostando bastante (de ser líbero). Há uns dois anos, eu já estava pensando em fazer essa transição. E esse ano eu tive a oportunidade de o Zé me convocar como líbero, o que foi determinante para tomar a minha decisão. Eu não estava esperando tomar a decisão este ano. Estava bem forte nesses últimos dois anos, mas eu estava com dificuldade de tomar a decisão.”
 
Na Itália, Sassá terá pela frente algumas das atacantes mais fortes do mundo, como Goncharova, da Rússia, e Diouf, da Itália. Além dessas duas seleções, as brasileiras voltarão a encarar a Bélgica em Catania (ITA). 
 
“São três jogos que eu vou correr atrás. Substituir a Camila Brait e a Léia não é fácil, ainda mais nesta situação de jogar pela primeira vez na posição.  Mas eu acho que o trabalho que fiz nesses quatro meses deu para pegar um pouquinho.”
 
Ela admite, porém, que não tem sido fácil a transição do ataque para a defesa, embora seja uma jogadora reconhecida por sua habilidade e bom volume de jogo. Mas ser líbero não é tão simples assim.  
 
“É uma posição muito difícil. Confesso que esperava que fosse mais tranquilo. Estou tendo um pouco de dificuldade com a defesa, que é um dos fundamentos mais difíceis do vôlei. Mas eu acho que dá para conseguir fazer um bom trabalho.”