Rexona vai bem, domina o Minas e se sagra tricampeão da Copa Brasil

Por Saque Viagem - 28/01/2017 - 23h12 - São Paulo

Rexona não deixou o Minas jogar na decisão deste sábado (Foto: Divulgação/CBV)
 
 
Não é por acaso que um time vence 11 vezes a Superliga. E nem que domina o vôlei brasileiro há boas temporadas. Diante de uma Camponesa/Minas pra lá de empolgada depois da classificação à decisão da Copa Brasil, o Rexona-Sesc fez Hooker, Pri Daroit e suas companheiras lembrarem por que é o grande papa-títulos do País.
 
Com uma atuação de encher os olhos na noite deste sábado (28), em Campinas (SP), as cariocas marcaram 3 sets a 0 (25/15, 25/21 e 25/20) e comemoraram pela terceira vez, sendo a segunda consecutiva, a conquista da Copa Brasil. Fabi, que liderou o fundo de quadra do Rexona-Sesc, foi eleita a melhor jogadora da decisão.
 
Mas não seria injusto se o prêmio fosse dado a Monique, com alto índice de aproveitamento no ataque. Ou para Jucy, muito bem também no meio de rede. Roberta, cada vez mais segura na posição, brincou de driblar o bloqueio do Minas. Os paredões das mineiras, tão frequentes nas semifinais, pouco apareceram desta vez.
 
As comandadas de Paulo Coco só conseguiram mostrar um voleibol mais competitivo a partir da segunda parcial. Porém, a falta de um bloqueio mais efetivo comprometeu o desenvolvimento do jogo das minastenistas. Nem mesmo as entradas de Jaqueline (Rosamaria) e Karine (Naiane), que deram tão certo contra o Vôlei Nestlé, mudaram o rumo do duelo.
 
E se o Minas não pôde colocar em prática sua estratégia, em parte foi porque o Rexona-Sesc jogou o fino da bola ao longo das três parciais. Com o título da Copa Brasil, a equipe de Bernardinho ganha mais confiança para a busca do 12º caneco da Superliga, torneio em que lidera com folga.